25 de mar de 2012

LITERATURA TURMA: 26




BENTO TEIXEIRA 
Veio cedo para o Brasil; formou-se no Colégio da Bahia, onde foi professor de primeiras letras.
 
Assassinou a mulher em 1594; fugindo à prisão, refugiou-se em Pernambuco, no convento dos beneditinos, em Olinda.
 

 
A redação de Prosopopéia aconteceu durante o isolamento no convento. Tudo indica que o motivo não era outro senão o de agradar os poderosos, principalmente Jorge de Albuquerque Coelho, donatário da Capitania de Pernambuco.
 

PROSOPOPÉIA 
POEMA ÉPICO – Poemeto épico, em 94 estâncias (o mesmo que estrofe) de oitava-rima (as estrofes de oito versos têm os dois últimos rimando entre si), em versos decassílabos (dez sílabas métricas), conforme ensinava Camões, em Os Lusíadas. 

O livro conta os feitos históricos de Jorge de Albuquerque Coelho, governador de Pernambuco, a quem o autor pretendia agradar.
 

A imitação de Os Lusíadas é freqüente, desde a estrutura até as construções sintáticas. Isto tirou da obra o valor literário que, porventura, pudesse ter, ficando a fama histórica de ser o livro inaugurador do Barroco brasileiro.
 

Considerado o primeiro poema épico de nossa literatura.
 

Considerado poema laudatório (que contém louvor).
 
 
Personagens de Prosopopéia: 

a) Proteu (narrador). Na mitologia grega, “Proteu” é deus marinho, capaz de se transformar em animais, em água e em fogo.
 

b) Jorge de Albuquerque (herói).
 

GREGÓRIO DE MATOS 

Autores do Barroco
Gregório de Matos Guerra nasceu em Salvador, Bahia, em 7 de abril de 1636. Faleceu em Pernambuco, em 1696. 
 
De família abastada, Gregório estudou com os jesuítas de Salvador. Em 1650, com 14 anos, embarcou para Portugal (Lisboa), aonde foi com o propósito de estudar Direito.
 

Matriculou-se na Universidade de Coimbra, onde se formou em julho de 1661 e passou a exercer a magistratura.
 

Interrompeu a carreira de juiz para voltar ao Brasil (por volta de 1680). Supõe-se que, nessa altura, já teria feito conhecer o seu talento de repentista e zombeteiro.

POESIA SATÍRICA – Apesar de ter exercido funções religiosas e de ter um irmão padre (Eusébio de Matos), Gregório não perdoa a Igreja Católica baiana: faz sátiras ferinas contra padres e freiras, chegando mesmo a usar palavrões em pleno século XVII. 

E nos frades há manqueiras?... Freiras...
 
E que ocupam os serões?... Sermões.
 
Não se ocupam em disputas?... Putas.
 
Com palavras dissolutas
 
Me concluís, na verdade,
 
Que as lidas todas de um frade
 
São freiras, sermões e putas.
 

Veja o que disse o poeta sobre a Sé da Bahia, órgão central da Igreja Católica no Brasil:
 

A nossa Sé da Bahia,
 
com ser um mapa de festas,
 
é um presepe de bestas,
 
se não for estrebaria.
 

Várias bestas cada dia,
 
vemos que o sino congrega:
 
Caveira, mula galega,
 
o Deão, burrinha parda,
 
Pereira, besta de albarda,
 
tudo para a Sé agrega.
 

Depois de ridicularizar a Igreja Católica, Gregório voltou sua pena satírica contra o governador-geral da Bahia, Antônio de Sousa Meneses, que esteve à frente do governo de maio de 1682 a junho de 1684.



Eclesiastes 1:13

E apliquei o meu coração a esquadrinhar, e a informar-me com sabedoria de tudo quanto sucede debaixo do céu; esta enfadonha ocupação deu Deus aos filhos dos homens, para nela os exercitar.