29 de fev de 2012

A Origem da Língua Portuguesa


A Origem da Língua Portuguesa

A FORMAÇÃO DE PORTUGAL E A ORIGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA 
Derivou-se o nosso idioma, como língua romântica, do Latim vulgar.

É bastante difícil conhecer a língua dos povos habitantes na península Ibérica antes dos Romanos dela se apossarem.

Os Romanos ocuparam a Península Ibérica no séc. III antes de nossa Era. Contudo, ela só é incorporada ao Império no ano 197 antes de Cristo. Tal fato não foi pacifico. Houve rebeliões contra o jugo Romano.

O Latim, língua dos conquistadores, foi paulatinamente suplantado a dos povos pré-latinos. “Os turdetanos, e mormente os ribeirinhos do Bétis, adotaram de todos os costumes romanos, e até já nem se lembram da própria língua.” (Estrabão).

O Latim implantado na Península Ibérica não era o adotado por Cícero e outros escritores da época clássica (Latim clássico). 

Era sim o denominado Latim Vulgar. O Latim Vulgar era de vocabulário reduzido, falado por aqueles que encaravam a vida pelo lado prático sem as preocupações de estilísticas do falar e do escrever.

O Latim Clássico foi conhecido também na Península Ibérica, principalmente nas escolas. Atestam tal verdade os naturais da Península : Quintiliano e Sêneca.

- O Português vem do Latim vulgar

Sabe-se que o latim era uma língua corrente de Roma. Roma, destinada pela sorte e valor de suas bases, conquista, através de seus soldados, regiões imensas. Com as conquistas vai o latim sendo levado a todos os rincões pelos soldados romanos, pelos colonos, pelos homens de negócios. As viagens favoreciam a difusão do latim.

Primeiramente o latim se expande por toda a Itália, depois pela Córsega e Sardenha, plenas províncias do oeste do domínio colonial, pela Gália, pela Espanha, pelo norte e nordeste da Récia, pelo leste da Dácia. O latim se difundiu acarretando falares diversos de conformidade com as regiões e povoados, surgindo daí as línguas românticas ou novilatinas.

Românticas porque tiveram a mesma origem: ao latim vulgar. Essas línguas são, na verdade, continuação do latim vulgar. Essas línguas românticas são: português, espanhol, catalão, provençal francês, italiano, rético, sardo e romeno.

No lado ocidental da Península Ibérica o latim sentiu certas influencias e apresenta características especiais que o distinguiam do “modus loquendi” de outras regiões onde se formavam e se desenvolviam as línguas românticas. Foi nesta região ocidental que se fixaram os suevos. Foram os povos bárbaros que invadiram a península, todos de origem germânica Sucederam-se nas invasões os vândalos, os suevos (fixaram-se no norte da península que mais tarde pertenceria a Portugal), os visigodos. Esses povos eram atrasados de cultura. Admitiram os costumes dos vencidos juntamente com a língua regional.

É normal entender a influencia desses povos bárbaros foi grande sobre o latim que aí se falava, nessa altura bastante modificado.

- Formação de Portugal

No século V, vários grupos bárbaros entraram na região ibérica, destruindo a organização política e administrativa dos romanos. Entretanto é interessante notar o domínio político não corresponde a um domínio cultural, os bárbaros sofreram um processo de romanização. Neste período formaram-se uma sociedade distinta em três níveis: clero, os ricos e políticos poderosos; a nobreza, proprietários e militares; e o povo.

No século VII essa situação sofre profundas mudanças devido a invasão muçulmana, estendendo –se assim o domínio árabe variando de regiões, e tinha sua maior concentração na região sul da Península, e o norte não conquistado servia de refúgio aos cristãos e lá organizaram a luta de reconquista, que visava a retomado do território tomado pelos árabes.

No que a Reconquista progredia a estrutura de poder e a organização territorial vão ganhando novos contornos; os reino do norte da Península (Leão, Castela, Aragão) estendem suas fronteiras para o sul, o reino de Leão passa a pertencer a o Condato Portucalense.

No fim do século XI, o norte da Península era governado por o rei Afonso VI, pretendendo expulsar todos os muçulmanos, vieram cavaleiros de todas as partes para lutar contra os mouros, dentre os quais dois nobres de borgonhas: Raimundo e seu primo Henrique. Afonso VI tinha duas filhas: Urraca e Teresa. O rei promoveu o casamento de Urraca e Raimundo e lhe deu como dote o governo de Galiza; pouco depois casou Teresa com Henrique e lhe deu o governo do Condato Portucalense. D. Henrique continua a luta contra os mouros e anexando os novos territórios ao seu condato, que vai ganhado os contornos do que hoje é Portugal.

Em 1128, Afonso Henriques – filho de Henrique e Teresa- proclamou a independência do Condato Portucalense, entrando em luta com as forças do reino de Leão. Quando em 1185 morre Afonso Henriques, os muçulmanos dominavam somente o sul de Portugal. Sucede a Afonso Henriques o rei D. Sancho, que continuava a lutar contra os mouros até sua expulsão total.. Dessa forma consolida-se a primeira dinastia portuguesa: a Dinastia de Borgonhas.


A SOCIEDADE

A formação de Portugal ocorreu num período de grande transição em que se percebe que o sistema feudal em crise e, em contrapartida, o crescimento de em áreas urbanas. Então este período se resume ao período de transição do feudalismo para as atividades econômicas, como os mercadores e os negociantes de dinheiro.


EVOLUÇÃO DA LINGUA PORTUGUESA

A formação e a própria evolução da língua portuguesa contam com um elemento decisivo: o domínio romano, sem desprezar por completo a influência das diversas línguas faladas na região antes do domínio romano sobre o latim vulgar, o latim passou por diversificações, dando origem a dialetos que se denominava romanço ( do latim romanice que significava, falar a maneira dos romanos).
Com várias invasões barbaras no século V, e a queda do Império Romano no Ocidente, surgiram vários destes dialetos, e numa evolução constituíram-se as línguas modernas conhecidas como: neolatinas. Na Península Ibérica, várias línguas se formaram, entre elas o catalão, o castelhano, o galego-português, deste último resultou a língua portuguesa.
O galego-português, era uma língua limitada a todo Ocidente da Península, correspondendo aos territórios da Galiza e de Portugal, Cronologicamente limitado entre os séculos XII e XIV, coincidindo ocom o período da Reconquista. Na entrada do século XIV, percebe-se maior influência dos falares do sul, notadamente na região de Lisboa; aumentando assim as diferenças entre o galego e o português.
O galego apareceu durante o século XII e XV, aparecendo tanto em documentos oficiais da região de Galiza como em obras poéticas. Apartir do século XVI, com o domínio de Castela, introduz-se o castelhano como língua oficial, e o galego tem sua importância relegada a plano secundário.
Já o português, desde a consolidação da autonomia política e, mais tarde, com a dilatação do império luso, consagra-se como língua oficial. Da evolução da língua portuguesa destaca-se alguns períodos: fase proto-histórica, do Português arcaico e do Português moderno.

FASES HISTÓRICAS DO PORTUGUÊS


• Fase proto-histórica

Anterior ao século XII, com textos escritos em latim bárbaro (modalidade do latim usado apenas em documentos e por isso também chamado de latim tabaliônico ou dos tabeliões).
• Fase do português arcáico

Do século XII ao século XVI, corresponde dois períodos:
a) do século XII ao século XIV, com textos em galego-português;
b) do século XIV ao século XVI, com a separação do galego e o portugu6es.

• Fase do português moderno
A partir do século XVI, quando a língua portuguesa se uniformiza e adquiri as caracteristicas do português atual. A rica literatura renascente portuguesa, produzida por Camões, teve papel fundamental nesse processo. As primeiras gramáticas e dicionários da língua portuguesa também surgiram do século XVI.


GEOGRAFIA DA LÍNGUA PORTUGUESA

O atual quadro das regiões de língua portuguesa se deve as expansões territorial lusitana ocorrida no século XV a XVI. Assim que o língua portuguesa partiu do ocidente lusitano , entrou por todos os continentes: América (com o Brasil), África (Guiné-Bissau, Cabo Verde, Angola, Moçambique, República Democrática de São Tomé e Príncipe), Ásia (Macau, Goa, Damão, Diu), e Oceania (Timor), além das ilhas atlânticas próximas da costa africana ( Açores e Madeira), que fazem parte do estado português.

Em alguns países o português é a língua oficial (República Democrática de São Tomé e Príncipe, o Brasil, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Cabo Verde), e apesar de incorporações de vocábulos nativos de modificações de pronúncia, mantêm uma unidade com o português de Portugal.

Em outros locais, surgiram dialetos originários do português. E também regiões em que essa língua é falada apenas por uma peguena parte da população, como em Hong Kong e Sri Lanka.


Bibliografia

NICOLA, José de, Língua, Literatura e Redação, 6ª ed., Editora Scipione, 1994
TERSARIOL, Alpheu, Biblioteca da língua portuguesa, 14ª ed., Editorial Irradiação S.A.- São Paulo, 1970

25 de fev de 2012

DICAS PARA TER SUCESSO NOS ESTUDOS:


 Dicas para ter sucesso nos estudos em Língua Portuguesa em 2014:
  • Ter um local agradável para estudar em casa.
  • Ter um horário fixo para estudar todos os dias.
  • Fazer todas as tarefas, leituras e trabalhos.
  • Entregar pontualmente as tarefas e trabalhos.
  • Ter anotações em dia com as datas das provas e entrega dos trabalhos.
  • Levar o material escolar completo para a sala de aula.
  • Ser assíduo, pontual e dedicado às aulas.
  • Ser caprichoso e organizado com seu material e ao realizar as tarefas.
  • Prestar o máximo de atenção a tudo o que o professor explicar.
  • Participar das atividades em sala de aula, bem como das atividades da escola.
  • Deixar as brincadeiras para o recreio e para as horas recreativas.
  • Não sair da sala de aula nos intervalos dos períodos.
  • Conhecer o Código de Ética e aplicá-lo.
  • Ter diariamente momentos para o hábito da boa leitura.
  • Buscar entender o que aprendeu, ao invés de decorar.
  • Perguntar ao professor o que não entendeu.
  • Dedicar menos tempo à TV e ao computador e mais tempo à leitura.
  • Ler pelo menos dois livros por mês.
  • Realizar tudo com dedicação, qualidade, perfeição, buscando sempre o máximo, o melhor. Tudo com esforço.
  • Cada ser humano é único e por isso devemos respeitar cada colega, assim como gostaríamos de ser tratados.
  • Faça da aula de Língua Portuguesa um momento muito bom, muito especial do dia. Aproveite e descubra, mergulhe, cresça, elabore, desenvolva, sonhe e realize.
  • Vamos fazer de 2012 um super ano de sucessos. Só depende de nós. Vamos estudar de verdade e construir o que sonhamos.
PROJETOS PARA 2012:
  • Campanha do agasalho(5.ªedição);
  • Museu do gaúcho(15.ªedição);
  • Teatro de Natal(15.ªedição);
  • Campanha do brinquedo (3.ª edição);
  • Sarau 2011 (4.ªedição);
  • Feira do livro de Porto Alegre(7.ªedição);
  • Escrever o futuro(4.ªedição);
  • Livros/filmes: Odisséia, Ana Terra, Caminhando na chuva, Os Miseráveis, Moby Dick, Moulin Rouge, ...
  • Teatros, danças, livros, filmes, datas comemorativas, datas cívicas na escola;
  • Há outros projetos/sonhos sendo estudados/preparados.
  • (...)
 
Feliz retorno as aulas, com muito, muito, muito carinho do professor: Elemar Gomes
·       FELIZ 2014!

DICAS LEGAIS:

Primeira aula de Português - 2012.



FONTE: BLOG                             Juventude, é hora de mudanças
Luiz Gustavo Moutinho Campos*
2014... Copa do Mundo! Tempo em que o futebol tem o seu grande espaço. Todos vibram, torcem, festejam, vestem a bandeira brasileira e adoram o seu país como nunca... Este é o ano! Mas não se pode esquecer que é também ano de ELEIÇÃO. Em ano eleitoral, a política participa com mais força do nosso dia a dia, seja na mídia, nas escolas e universidades, nas rodas de amigos ou até mesmo em nossa casa.
Ultimamente, com tantos escândalos envolvendo os políticos no Brasil - corrupção, superfaturamento, desvios de recursos públicos e até dinheiro na meia - os brasileiros se encontram cada vez menos esperançosos com os políticos e com a política nacional. E os jovens, por sua vez, geralmente adotam a mesma postura, pois são reflexos de seus familiares, amigos, pais e professores. E, em consequência disso, temos um dos maiores e mais graves problemas do Brasil: a criação de jovens alienados politicamente.
Os jovens, em sua maioria, se tornaram analfabetos políticos, pois simplesmente ignoram a política, alegando que é “um saco”, que todos os candidatos são iguais e que nenhum deles presta. E, assim, anulam o seu voto, escolhem qualquer candidato e esperam as eleições passarem para que, somente daqui a dois anos, possa se falar em política novamente. Na verdade, eles se apegam à sua individualidade, tornando a ideia da vida pública pouco atraente, e não percebem que acabam afastando de si as probabilidades de um futuro social melhor. Não se pode tirar a sua razão, devido à decepção causada por alguns políticos brasileiros, mas a mudança só será possível se esse tipo de atitude do jovem mudar. Os ditos populares “é tudo a mesma coisa” ou “qualquer um serve” não devem ser lemas para um eleitor com responsabilidade. Primeiramente, não se deve generalizar as coisas: os políticos, o governo, as políticas, pois nem todos os políticos são desonestos e, como em todas as profissões, há muita gente séria e competente atuando nestes espaços e trazendo feitos importantes ao desenvolvimento do país. Depois, deve-se compreender que a pior forma de se fazer política é não querer saber dela. A inserção da juventude na política é de extrema importância para renovar quadros, trazer novas ideias e construir um novo caminho. Os jovens não podem ficar omissos, têm de acreditar na força como instrumento de transformação. Não podem ficar ausentes das discussões que envolvem o seu futuro.
O Brasil não precisa de revolucionários, mas de pessoas conscientes de seus direitos, deveres e de seu poder. É importante a participação consciente da juventude no processo eleitoral para eleger líderes nos quais confiem, visando combater a crise de valores que dominam a política nacional. A passividade dos jovens deve ser combatida a fim de que sejam mais participativos, fortaleçam a cidadania e valorizem as eleições, para que este momento se torne de verdade um “show de democracia”!
Num país de jovens politizados, o futuro é promissor e por isso devemos apoiar o debate e a participação em comum dos problemas que atingem o nosso município, estado e país, trazendo aos jovens finalidades que os capacitem para a autonomia, compromisso e responsabilidade consigo mesmos e com a sociedade em geral, partindo das suas expectativas, soluções e interesses. O jovem eleitor deve compreender que a política faz parte do seu dia a dia e é fundamental para a sobrevivência da sociedade, pois o Brasil clama por mudanças, e a juventude deve mostrar o seu interesse em plantar sementes de transformação. Portanto, fica a mensagem aos jovens: que neste ano possam “vestir” a bandeira do Brasil, ser cidadãos e patriotas não somente pela Copa do Mundo, mas também pelo momento de democracia e responsabilidade que a eleição propicia. Ao invés de procurarem isolamento no momento em que o assunto é política, tenham atitudes de participação. Sua intervenção fará a diferença!
*Presidente da União Estudantil de Teófilo Otoni-MG                                          Postado em 19 de Fevereiro, 2012.
Use o caderno para responder.
Estudo a partir do texto: “Juventude, é hora de mudanças”
1)      Justifique o emprego do título.
2)      Luiz aborda dois acontecimentos importantes para esse ano: A copa do mundo e as Eleições. No entanto, seu discurso é sobre o último. Quais seriam, segundo o autor, os principais motivos para a descrença da juventude na política e nos políticos?
3)      Complete: Essa descrença dos jovens nos políticos leva-os ....................................................................... .
4)      Vocabulário: Dê os significados contextualizados.


A)     mídia
B)      dinheiro na meia
C)      postura
D)     alienados
E)      analfabetos políticos
F)      probabilidades
G)     atuando
H)     feitos
I)        inserção
J)       omissos
K)      pessoas conscientes
L)       show de democracia
M)   vestir a bandeira do Brasil
N)     politizados


5)      Substitua as palavras sublinhadas no texto por outras sinônimas.

6)      Associe as palavras as suas classes gramaticais contextualizadas.


A)     vibram
B)      se
C)      eleições
D)     2010
E)      consciente
F)      o
G)     sua
H)     num
I)        show de democracia
J)       ultimamente
(   )pronome
(   )adjetivo
(   )numeral
(   )conjunção
(   )verbo
(   )substantivo
(   )artigo
(   )interjeição
(   )advérbio
(   )preposição



7)      Enumere as colunas, observando as regras de acentuação:


1)      país
2)      invés
3)      revolucionário
4)      político
5)      é
6)      aS
(   ) monossílabo átono
(   )monossílabo tônico
(   )proparoxítona
(   )paroxítona
(   )oxítona
(   )hiato





8)      Retire do texto exemplos do emprego da Linguagem Coloquial.

9)      Por que o futebol é uma cultura tão forte no Brasil? Redija em cinco linhas uma resposta coesa,  justificando sua opinião.

10)   Produza uma charge sobre futebol ou política. Use o lápis/grafite. 

Eclesiastes 1:13

E apliquei o meu coração a esquadrinhar, e a informar-me com sabedoria de tudo quanto sucede debaixo do céu; esta enfadonha ocupação deu Deus aos filhos dos homens, para nela os exercitar.